7 dicas de como o marketing digital pode ajudar seu negócio

computador-internet

Pequenas empresas podem alcançar um novo patamar quando prestam mais atenção no comportamento dos consumidores conectados. Com custos mais acessíveis, o marketing no mundo digital tornou-se um aliado para aumentar as vendas desses negócios.

Se o empreendedor se dedicar, consegue começar este trabalho de divulgação sozinho, criando perfis em redes sociais que combinem com seu público e criando um website simples e amigável para o usuário.

Há, no entanto, mais possibilidades para fazer o negócio aparecer on-line que exigem esforços e, muitas vezes, um funcionário ou parceiro dedicado a isso. Em épocas de rede social, o cliente quer o retorno cada vez mais rápido e eficiente, a qualquer hora do dia.

Listamos oito dicas que um empresário deve ter em mente para aproveitar o poder do marketing digital.

1. Produza conteúdo

Uma boa ferramenta para atrair clientes é produzir conteúdo, livre de propagandas do seu produto, buscando servir de referência em sua área de atuação. “O que mais funciona, até porque pouca gente faz, é conteúdo educativo sobre o tema do seu negócio. O resultado em tração de potenciais clientes e até na conversão é muito grande”, explica Eric Santos, CEO da Resultados Digitais.

2. Use bem as redes sociais

Quem já atua nas redes sociais sabe como este canal é relevante para pequenas empresas. Não basta ter um perfil, é preciso usá-lo com estratégia. Para Tiago Luz, co-fundador da infracommerce, o trabalho vai além de ter muitos fãs ou seguidores, é preciso criar engajamento. “Se você erra, admita que errou. Quando você trata bem o cliente, a coisa funciona”, diz Luz.

3. Pense no curto e no longo prazo

A criação de conteúdo em um blog da empresa costuma dar retorno no longo prazo, quando o negócio ganha fama por ser especializado em sua área. “Ser referência não acontece do dia para noite. Por outro lado, tem uma série de coisas que dão resultado no curto prazo. Uma delas é a compra de mídia, como investir em Google Adwords ou no Facebook. Isso permite ganhar fôlego para trabalhar as estratégias de longo prazo de forma correta”, ensina Eric Santos.

4. Fique atento ao mundo móvel

Com smartphones mais baratos, os consumidores querem encontrar empresas e até comprar sem precisar usar um computador. É preciso se adaptar, criar “apps”, ter um site amigável às telas dos celulares e até pensar em ações específicas para este meio.

“Hoje não tem mais sentido ter um site que não seja responsivo, ou seja, que se adapta para aparecer corretamente em um celular, num tablete ou num computador. O investimento para fazer um website assim é um pouco maior, mas custa muito mais se adaptar depois”, explica Marco Andrei Kichalowsky, diretor de marketing da Arsnova Digital. “Além disso, ferramentas de busca, como o Google, já estão dando prioridade para websites que têm uma versão móvel”, alerta.

5. Não copie os grandes

Outro ponto importante na hora de pensar sua estratégia digital é não copiar o que grandes empresas estão fazendo. O contexto de pequenos negócios é totalmente diferente das grandes. A dica então é observar como outras empresas do mesmo porte atuam no mundo virtual. Lembre-se que as grandes empresas têm orçamentos maiores e métricas diferentes. Para pequenas, as métricas devem ser mais próximas de resultado de negócio do que de simplesmente só criar um burburinho sobre uma ideia.

6. Invista em atendimento

Se você faz vendas on-line, divulgue claramente como o cliente consegue entrar em contato com a empresa, seja para reclamações ou dúvidas. Isso ajuda a criar credibilidade e aumentar as vendas. E lembre-se que muita gente compra fora do horário comercial e tem dúvidas. Deixe bem clara a informação do horário de atendimento, que deve ir além das 17 horas.

7. Cuide da infraestrutura

Um site bonito e funcional só vale a pena se a hospedagem suportar os acessos do público. Uma dica é se precaver durante épocas de grande fluxo de compras e promoções. No mundo digital, a concorrência está ainda mais acessível ao cliente.

Preste atenção na velocidade e no compartilhamento de servidores. “A geração nova não tem paciência para esperar carregar. Se demora mais do que sete segundos, não aparece bem no Google”, indica Tiago Luz. Na hora de contratar o servidor, verifique se ele vai ser compartilhado com outros sites muito grandes. “Uma hospedagem compartilhada tem restrições e sua empresa irá dividir recursos com outras, o que pode deixar seu serviço muito lento”, explica Marco Andrei.

[Baseado em artigo de Priscila Zuini para a revista Exame.]